Trabalhadores salvos do trabalho forçado voltam para a Argentina

Estimated read time 3 min read

Foto: Ubirajara Machado/MPT

Após o resgate, os trabalhadores foram acolhidos em Caxias do Sul e São Marcos, com apoio da assistência social dos municípios. O retorno à Argentina foi custeado pela prefeitura de São Marcos

Foto: Ubirajara Machado/MPT

Os 22 trabalhadores argentinos resgatados no dia 31 de janeiro de condições análogas à escravidão em uma propriedade rural em São Marcos, na Serra Gaúcha, completaram nesta quarta-feira, 7, seu retorno à Argentina.

O adolescente de 16 anos resgatado havia completado seu retorno no dia anterior, acompanhado pela Assistência Social de Caxias do Sul, e foi encaminhado aos órgãos de proteção à infância e combate ao tráfico de pessoas, com mediação do consulado argentino.

A volta dos trabalhadores foi custeada, segundo informações do Ministério Público do Trabalho do Rio Grande do Sul (MPT/RS), pela prefeitura de São Marcos e monitorada pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) durante embarques e viagens em direção à fronteira, onde foram recebidos pelo consulado argentino.

Dois produtores rurais de São Marcos, que utilizaram mão de obra dos resgatados e firmaram acordo de ajustamento de conduta (TAC) com o Ministério Público do Trabalho (MPT), assinado ontem, na Diretoria Regional do Trabalho e Emprego (GRTE) de Caxias do Sul, o pagamento de verbas rescisórias devidas aos trabalhadores humanitários, que não haviam sido pagas pelo empregador. Os trabalhadores também receberão três parcelas do seguro-desemprego.

Respeito pelos direitos dos trabalhadores resgatado

O resgate dos trabalhadores argentinos é resultado de uma força-tarefa coordenada pelos auditores fiscais do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), acompanhados pelo MPT/RS e apoiados pela Polícia Rodoviária Federal (FRF). Estão em andamento controles em estabelecimentos rurais e adegas da Serra Gaúcha, onde se concentra a maior parte da produção nacional de uva e vinho.

Segundo o MPT/RS, a ação visa garantir o respeito aos direitos dos trabalhadores da colheita para a safra 2024. Além disso, verificar as mudanças ocorridas em toda a cadeia produtiva após uma operação concluída há um ano na região, quando 210 funcionários foram salvos por o grupo empresarial Fênix Serviços Administrativos e Apoio à Gestão de Saúde Ltda.

Detalhes da operação, como número de estabelecimentos fiscalizados, serão divulgados pelos órgãos envolvidos ao final da ação.

*Com informações do MPT/RS

+ There are no comments

Add yours