Carnaval define calendários acadêmicos no RS

A Secretaria de Educação de Passo Fundo finaliza os preparativos para o início das aulas no dia 14/02. A rede municipal conta com mais de 17 mil alunos, que, entre as novidades, terão mais escolas de tempo integral.

A data do Carnaval, que varia a cada ano, normalmente define os calendários escolares do estado. Às vezes, antes ou depois da festa folclórica tradicional, as aulas geralmente são definidas e começam no final das celebrações. A rede pública estadual abrirá as atividades escolares no dia 19/02, enquanto na rede municipal de Porto Alegre será nos dias 14/02 (Educação Infantil) e 19/02 (Ensinos de Ensino Fundamental e Médio). Os particulares são retomados gradativamente, a partir de 14/02, com maior demanda em 19/02; bem como redes municipais de todo o RS, que já se preparam para retornar à rotina escolar.

Embora o acordo preveja datas próximas, o Sindicato das Escolas Particulares do RS (Sinepe/RS) lembra que cada escola tem autonomia para definir seus próprios calendários, desde que respeitem os 200 dias letivos, estabelecidos em lei. O presidente do Sindicato, Oswaldo Dalpiaz, destaca que o calendário acadêmico é uma ferramenta que auxilia a escola na organização de suas atividades e deve servir de guia para o planejamento de cada instituição. “Por ser flexível, o calendário se adapta às características de cada escola”, explica. Segundo o dirigente, este regresso é marcado pela integração, que muitas escolas aproveitam para promover atividades de acolhimento diferenciadas e criativas à comunidade escolar.

A coordenadora pedagógica Juliana Saldanha, do Ensino Fundamental/Anos Iniciais do Colégio Marista Ipanema, de Porto Alegre/RS, destaca que o papel dos pais no processo de retomada e organização da rotina escolar é de extrema importância, e que o diálogo entre a família e a escola são essenciais para que os alunos se sintam confiantes à medida que se adaptam ao novo ano. E em caso de transferência sugere um aviso. “Quando há mudança de escola a atenção deve ser ainda maior. Um conselho que ajuda as crianças e jovens a habituarem-se à nova escola é visitar os espaços antes do início das aulas”. E acrescenta que os encontros entre as famílias dos novos alunos podem gerar uma rede de acolhimento e troca. Para quem já faz parte da instituição, a empatia e a generosidade para com os recém-chegados é um ótimo começo.

Passo profundo

Na Quarta-feira de Cinzas (14/2) a previsão é de que 17.549 alunos retornem às atividades nas escolas municipais. Por isso a Secretaria de Educação de Passo Fundo está finalizando os preparativos para o início das aulas. O ministro da Educação, Adriano Teixeira, revela que a rede pública tem 17.549 alunos. “São 5.229 na educação infantil e 12.320 no ensino fundamental e o acolhimento desses alunos é de responsabilidade de cada escola”, sublinha. Para os professores, o feedback ocorreu no dia 5 de fevereiro, quando participaram de reuniões administrativas e pedagógicas. Adriano revela que o processo de formação de professores é constante, acontecendo de forma presencial e online. Informamos que este ano letivo de 2024 começa com 1.397 professores e que serão mobilizados 2.344 profissionais para acolher as crianças.

O secretário prevê diversas mudanças para o ano letivo municipal, acreditando que a que terá maior impacto será a ampliação do número de crianças em período integral, que deverá totalizar mais de 1.500 alunos até o final do ano. Ele conta que desde o ano passado o município vem realizando obras que terão continuidade e que representam cerca de R$ 27 mil em investimentos. São 72 escolas na rede municipal (35 de Educação Infantil, 36 de Ensino Fundamental e a escola para autistas).

Gravataí

A volta às aulas na rede municipal dá suporte ao orçamento familiar. A Prefeitura de Gravataí entregou cartões magnéticos para compra de material escolar nas livrarias credenciadas da cidade. Todos os 28 mil alunos serão beneficiados, com valores que variam entre R$ 124,96 e R$ 153,77 cada. Até o ano passado, o município entregava kits prontos de material escolar. O prefeito Luiz Zaffalon afirma que o cartão compras dá mais autonomia às famílias, pois os alunos têm necessidades diferentes em cada etapa escolar. E considere que ao invés de entregar um kit padrão, cada mãe e pai poderá adquirir aquele que fizer mais sentido para seu filho na aula. “Além disso, restam mais de R$ 4 milhões no comércio da cidade, o que gera empregos e impostos”, estima.

O Cartão Material Escolar é inédito na cidade e contém o nome e matrícula do aluno. A iniciativa da prefeitura, aprovada pela Câmara Municipal em 2023, beneficia alunos de escolas municipais de educação infantil e ensino fundamental. Alunos do Ensino Infantil 2 receberão R$ 136,75; 1º ano do ensino fundamental, R$ 124,96; 2º e 3º, R$ 136,01; 4º e 5º ano R$ 126,74; e do 6º ao 9º ano R$ 153,77. Quem ainda não adquiriu o cartão poderá retirá-lo no retorno às aulas nos dias 22/2 (Crianças), 15, 20, 21 e 22/2 ou 26/2 (Primário).

São Sepé

A volta às aulas em São Sepé começou mais cedo, com a Campanha de Arrecadação de Material Escolar. A iniciativa de sucesso é organizada pelo Gabinete de Cidadania do Município. Em um mês de doações, o setor recebeu mais de 370 produtos, que serão distribuídos aos estudantes da cidade. Devido à grande procura, o escritório manterá a campanha até o final do ano, recebendo as doações nos pontos de arrecadação locais. Informações: (55) 3233-2902.

+ There are no comments

Add yours