Estudo indica que rodeios movimentaram mais de R$ 2 bilhões no Rio Grande do Sul em 2023

A pesquisa, realizada pela Universidade Feevale, em parceria com a Sedec, mapeia o potencial econômico da cultura gaúcha

10/02/2024
Ascom Sedec e Feevale | Edição: Camila Cargnelutti/Secom – Foto: Eliezer Falcão/Ascom Sedec


Estudo realizado pela Universidade Feevale, em parceria com a Secretaria de Desenvolvimento Econômico (Sedec), mostrou que, em 2023, os rodeios geraram mais de R$ 2 bilhões no Rio Grande do Sul, dos quais R$ 980 milhões apenas em inscrições de provas de campo . O resultado parcial da pesquisa foi apresentado nesta terça-feira, 6, durante o 35º Rodeio Crioulo Internacional de Vacaria.

Nesta primeira fase do estudo, que visa medir o emprego e a renda gerados pelas tradições gaúchas, os dados referem-se apenas aos rodeios. Só a Vacaria, que é um exemplo de como as festas rurais têm potencial para impulsionar a economia do estado, tem um orçamento de mais de R$ 8 milhões em despesas diretas.

No ano passado, foram realizados 3.264 rodeios, festivais sertanejos e torneios de tiro ao laço, 15% a mais que em 2022. Foram 294 eventos de grande porte, 1.565 médios e 1.405 pequenos, com investimento de cerca de R$ 800 mil respectivamente. milhares e R$ 150 mil.

A estimativa para a manutenção anual de 10 mil animais é de aproximadamente R$ 375 milhões, incluindo alimentação, hotelaria, transporte, vacinas e amarras. Os custos com aluguel de gado para rodeios chegam a mais de R$ 73 mil. Em 2023, ultrapassaram R$ 240 milhões em mais de 3,2 mil eventos realizados. No ano passado, os investimentos na parte artística, como ensaios, músicos e coreografias, chegaram a mais de R$ 355 milhões.

O gasto anual dos cordoeiros com vestuário (botas, escarpins, camisas, chapéus e cachecóis) é de aproximadamente R$ 30 milhões. O investimento do público em geral que frequenta rodeios é superior a R$ 52 milhões. “Os rodeios se tornaram muito populares no Rio Grande do Sul, chegando a 3,2 mil festas por ano, com média de mais de 60 por fim de semana”, comentou o economista e professor da Universidade Feevale, José Antônio Ribeiro de Moura.

O economista lembrou que, em comparação com outros setores da economia gaúcha, os números ligados ao tradicionalismo representam o dobro do que o Brasil exportou em calçados em 2023 e 70% a mais que a produção de uva no estado. “Os números importantes demonstram que as entidades podem se beneficiar tanto das leis de incentivo estaduais quanto dos investimentos dos empresários, que também são capazes de obter um grande retorno se investirem neste segmento”, disse.

Desenvolvimento do estado

O presidente da Sedec, Ernani Polo, destacou que, além de ser uma representação da identidade cultural, o tradicionalismo é um setor impulsionador da economia do Rio Grande do Sul, como constatado neste estudo.

Esse resultado parcial indica que só em rodeios serão mais de R$ 2 bilhões em 2023, um número impressionante justamente porque os rodeios são muito difundidos. Com essa sistematização houve a percepção do quanto a economia está girando, gerando empregos e renda. O Governo do Estado continua trabalhando com a Feevale para levar adiante esse estudo, que pode ser uma ferramenta para orientar ações futuras em benefício do segmento”, afirmou.

O reitor da Universidade Feevale, Cleber Prodanov, destacou que o estudo trará inúmeros benefícios e servirá de base para políticas públicas de promoção das tradições. “Este é um setor económico e cultural extremamente importante, ligado à nossa identidade e ao nosso desenvolvimento. Como um gestor público pode propor uma política e direcionar recursos, por exemplo, transporte para o turismo? Tenham um estudo e um trabalho sério e científico, com o apoio de todas as entidades, e coloquem o esquerdismo no mapa do desenvolvimento do Rio Grande do Sul”, explicou.

A conclusão do estudo está prevista para este semestre. As próximas paradas incluem o Centro de Tradições Gaúchas (CTG) e suas festas, danças folclóricas, musicais e hospedagens; o cavalo crioulo; erva-mate e chimarrão; e radiodifusão.

Sobre o Rodeio Vacaria

O 35º Rodeio Crioulo Internacional Vacaria, o maior do estado, segue até domingo (2/11), no Parque de Exposições Nicanor Kramer da Luz (Rua Fermino Camargo Branco, 790).

São esperadas cerca de 500 mil pessoas, do Brasil e do exterior, além de 4 mil competidores nas competições artísticas e 9 mil nas provas de cross-country, em mais de 40 modalidades, como laço, equitação e danças tradicionais. A premiação aproximada é de R$ 1 milhão.

A programação completa do evento pode ser consultada no site www.rodeiodevacaria.com. Os ingressos variam de R$ 10 a R$ 30, dependendo do dia da semana, e passaporte para o dia inteiro custa R$ 150. Crianças de até 10 anos são permitidas. O estacionamento custa entre R$ 20 e R$ 40 e o passaporte diário custa R$ 270.

Para as últimas notícias, entre aqui. Acompanhe o site do Portal de Camaquã nas redes sociais:

WHATSAPP – Para se cadastrar automaticamente no grupo, clique neste link.

TELEGRAM – Para se cadastrar automaticamente no grupo, clique neste link.

YOUTUBE – Para se inscrever no canal clique neste link.

INSTAGRAM – Para se inscrever no canal clique neste link.


+ There are no comments

Add yours